Tópicos

– Análise e discussão de exemplos históricos de fotografia íntima
– A relação entre o fotógrafo e o assunto
– Os processos que levam a vida de cada um para as imagens de todos
– Diferentes soluções fotográficas para diferentes histórias e experiências
– Definição e desenvolvimento de um projeto para cada participante ao longo do workshop
– Análise dos trabalhos dos participantes

O que trazer

Cada participante deve trazer um ou dois trabalhos, dirigidos para o tema do workshop, trabalhos íntimos. Poderá ser em papel (prefêrencia) ou digital.

Infos

Workshop [15 horas]
6, 7 e 8 de março
19h às 22h [sexta-feira]
10h às 17h [sábado/domingo]
2x R$ 337,50

Descrição

Tudo o que o Kameraphoto faz carrega um k na frente, deixando claro seu estilo irreverente e irônico. O coletivo, representado neste workshop por Jordi Burch, propõe aos alunos uma experiência prática e reflexiva sobre a intimidade dentro do universo fotográfico, um tema complexo e ao mesmo tempo saturado de tentativas. Se todo cotidiano é interessante, porque é tão difícil fotografar o nosso e qual o interesse de fazê-lo? Como podemos fotografar aquilo que só nós conhecemos e esperar que o outro reconheça a nossa história? Qual a diferença entre uma fotografia feita a um amigo e uma fotografia sobre amizade? Como partir de algo particular e íntimo e transformá-lo em algo universal e partilhável?

Este workshop destina-se a profissionais e amadores que desejam encontrar uma linguagem mais pessoal, explorando temas mais íntimos e aprofundando as capacidades de desenvolver projetos fotográficos autorais, através das dimensões literárias e cinematográficas da fotografia. A ideia também é discutir a linguagem e o contexto na construção da narrativa. Traga seu portfólio e venha explorar suas possibilidades criativas e discutir exemplos históricos e contemporâneos das distintas abordagens que pode ter um projeto pessoal.

 Foto: Jordi Buch

Inscrição

Jordi Burch

Nascido em Barcelona no ano de 1979, Jordi Burch foi para Lisboa ainda bebé. Hoje vive em São Paulo.

Membro do coletivo de fotografia – Kameraphoto – desde 2007 até o seu fim em 2014.

Estudou fotografia no Ar.Co – Centro de Arte e Comunicação Visual. Tem trabalhos publicados nas revistas: Grande Reportagem, National Geographic, Playboy Brasil, Playboy Russia, Expresso, revista Pública, Revista Visão, Egoísta, Trip, Tpm, Serafina (folha de São Paulo), Courrier International, Santa Art Magazine, Financial Times Weekend Magazine, Le Monde.

Em 2008 passa a dedicar-se mais ao seu trabalho autoral. Destacando: ‘Artistas convidados’ no Museu Nacional de Arte Antiga Lisboa (2014); ‘Se não me engano, faz Angola’ Plataforma Revólver, Lisboa(2014); ‘O Rosto da Paisagem’ Museu AfroBrasil, juntamente com o escritor Ondjaki, São Paulo (2013); ‘Sacrifício’ Encontros da imagem, Braga (2012); ‘Hospital’ colectiva no Hospital Miguel Bombarda(2012); ‘Um Diário da República’ Fundação EDP no Porto e PhotoEspaña – Cuenca (2011); ‘Processo’ exposição individual Kgaleria, Lisboa (2011); ‘O Rosto da Paisagem’ individual com textos do escritor Ondjaki no Centro Cultural de Luanda (2010); ‘A State of Affairs’ colectiva na galeria Plataforma Revólver, Lisboa (2009); ‘Labirinto de Miradas’ Casa da Espanha, México (2009); ‘Labirinto de Miradas’ Galeria Olido, São Paulo (2009); ‘Labirinto de Miradas’ Freedom Tower Art Show, Miami (2009); New Life Berlin Contemporary Art Festival, Berlin(2008); ‘Amor Cachorro’ individual na Galeria Nara Roesler em São Paulo (2008); ‘Estamos Juntos’ individual na Casa Fernando Pessoa (2007); entre outras…

Em 2012 fez parte da residência artística – Triangle Network / Xerem – em Lisboa.
Em 2014 fez residência artística no Museu Nacional de Arte Antiga, Lisboa.
Em 2015 teve o seu trabalho “ Havia Sol e Éramos Novos “ no ambito da Virada Cultural

Veja mais  aqui 

Compartilhe isso: