Filipe dos Santos Barrocas e Jordi Burch

pesquisador e fotógrafo

retrato jordi-filipe

Filipe dos Santos Barrocas nasceu em Lisboa e vive em São Paulo desde 2010. Em 2014 venceu o prêmio ProAC “Livro de Artista” da Secretaria do Estado de São Paulo com o livro O corpo neutro. É mestre em artes visuais pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo desde 2015. Pesquisa realizada com apoio da CAPES e sob orientação de Mário Celso Ramiro de Andrade. Investigação sobre o fotográfico que vem sendo desenvolvida através da interseção das disciplinas de sua formação com a dança, o teatro e a performance. É formado em arquitetura e fotografia.

Nascido em Barcelona no ano de 1979, Jordi Burch foi para Lisboa ainda bebé. Hoje vive em São Paulo. Membro do coletivo de fotografia – Kameraphoto – desde 2007 até o seu fim em 2014. Estudou fotografia no Ar.Co – Centro de Arte e Comunicação Visual. Tem trabalhos publicados nas revistas: Grande Reportagem, National Geographic, Playboy Brasil, Playboy Russia, Expresso, revista Pública, Revista Visão, Egoísta, Trip, Tpm, Serafina (folha de São Paulo), Courrier International, Santa Art Magazine, Financial Times Weekend Magazine, Le Monde. Em 2008 passa a dedicar-se mais ao seu trabalho autoral. Destacando: ‘Artistas convidados’ no Museu Nacional de Arte Antiga Lisboa (2014); ‘Se não me engano, faz Angola’ Plataforma Revólver, Lisboa(2014); ‘O Rosto da Paisagem’ Museu AfroBrasil, juntamente com o escritor Ondjaki, São Paulo (2013); ‘Sacrifício’ Encontros da imagem, Braga (2012); ‘Hospital’ colectiva no Hospital Miguel Bombarda(2012); ‘Um Diário da República’ Fundação EDP no Porto e PhotoEspaña – Cuenca (2011); ‘Processo’ exposição individual Kgaleria, Lisboa (2011); ‘O Rosto da Paisagem’ individual com textos do escritor Ondjaki no Centro Cultural de Luanda (2010); ‘A State of Affairs’ colectiva na galeria Plataforma Revólver, Lisboa (2009); ‘Labirinto de Miradas’ Casa da Espanha, México (2009); ‘Labirinto de Miradas’ Galeria Olido, São Paulo (2009); ‘Labirinto de Miradas’ Freedom Tower Art Show, Miami (2009); New Life Berlin Contemporary Art Festival, Berlin(2008); ‘Amor Cachorro’ individual na Galeria Nara Roesler em São Paulo (2008); ‘Estamos Juntos’ individual na Casa Fernando Pessoa (2007); entre outras… Em 2012 fez parte da residência artística – Triangle Network / Xerem – em Lisboa. Em 2014 fez residência artística no Museu Nacional de Arte Antiga, Lisboa. Em 2015 teve o seu trabalho “ Havia Sol e Éramos Novos “ no ambito da Virada Cultural

Compartilhe isso: